21 janeiro 2008

Relatório do documentário Surplus


O documentário Surplus do sueco Erik Gandini, procura mostrar a situação da sociedade atual, enfeitiçada pelo consumismo. Para isso, o diretor viajou durante três anos para diversos países, como Índia, Cuba e Eua.

No início vemos as manifestações em Gênova, 2001. Onde antes poderíamos esperar críticas aos atos violentos dos manifestantes, como quebrar janelas e incendiar carros, somos surpreendidos pela declaração de John Zerzan, guru do anticonsumismo, dizendo que os danos à propriedade não podem ser considerados violência, afinal um prédio não pode sentir nada. Violência, segundo ele, é ficar em casa, inerte, alheio aos acontecimentos a sua volta. Pode parecer estranho num primeiro momento, mas não fazer nada para mudar o mundo não é mais violento do que destruir propriedade privada? E como protestar contra o consumismo sem atacar o produto que ele gera? Mais a frente Zerzan critica a postura pacífica de fazer uma caminhada segurando uma faixa.

O filme segue mostrando os danos gerados ao meio ambiente pelo estilo de vida dos países ricos. É nessa parte que todos deveriam se perguntar: “Então como seria se todos os países fossem desenvolvidos?”. E aí que cai a máscara do chamado “desenvolvimento sustentável”. E mesmo assim todos os dias milhões de brasileiros tem o sonho impossível de ver nossa nação rica e desenvolvida, assim como os cidadãos dos outros países subdesenvolvidos. Marx pode ter cometido alguns erros, mas como ignorar o fato claro de que num mundo capitalista sempre haverá pobreza e exploração?

O filme busca então mostrar outro lado e vai para Cuba. Vemos que lá não há consumismo, não há sequer publicidade comercial. Porém a ilha caribenha está longe de ser a sociedade ideal. É interessante notar o poder absoluto de Fidel Castro.

Falando sobre liberdade, John Zerzan diz: “A liberdade que temos é a de escolher entre o produto A, B ou C”. E realmente, onde está nossa liberdade de não escolher?

O filme faz uma oportuna comparação entre a vida de uma cubana, que sonhava comer um Big Mac’s invés de arroz e feijão, e um jovem europeu, que com apenas 19 anos já é milionário e não sabe o que fazer com seu dinheiro, sentindo um vazio.

O documentário fala também como a evolução tecnológica, que se acreditava, ia libertar o homem, diminuindo seu trabalho. Mas o que vemos é que agora somos mais escravizados, pelo celular, pelo bip, pelo computador, não podemos abandonar mais o trabalho. Somos trabalhadores 24 horas por dia.

O discurso de George Bush mostra claramente no que ele está preocupado em defender: “Não podemos permitir que o terrorismo faça com que nós... que as pessoas não comprem mais”.

Na Índia vemos o destino dos resíduos do modo de vida nos países ricos, em um cemitério de navios, trabalhadores paupérrimos os desmontam para reciclá-los. E os depósitos de pneus chamam a atenção, ainda mais se lembrarmos que o Brasil os compra para recauchutá-los.

O documentário não mostra só as conseqüências ao meio ambiente, mas também as relações pessoais. Num mundo onde tudo pode ser comprado, uma empresa vende por módicos sete mil dólares, “bonecas de amor”.

No final do filme um discurso sobre um futuro possível, aonde as pessoas não irão mais querer o carro do ano, a roupa que está na moda, aonde as pessoas irão se contentar com o suficiente. Com muita coragem a cena final é da garota cubana, dizendo que quer mais do que isso, nos lembrando do poder da publicidade comercial, e dos desejos humanos.

Surplus não é um documentário para se pensar no futuro, é para se pensar o presente.


Mais um texto do ano passado. Como o anterior esse também teve um bom prazo sendo solenemente ignorado para que eu pudesse fazer em cima da hora, porque acredito trabalhar melhor assim (mentira). Um desconto: eu trabalhava e estudava, não tinha tempo pra nada!
Esse relatório tem uma história curiosa. O professor, muito sabiamente, pesquisou os textos existentes na internet. Quem usava um desses textos ou trechos deles tinha sua nota diminuida e o professor colocava uma pequena anotação: "copiou da internet". O meu tinha a nota reduzida, mas não falava o porquê. Como esse tinha sido o melhor texto que eu tinha escrito na faculdade, fui reclamar, e o professor disse que eu não tinha citado a fonte! Ele achou que o texto era tão bom que eu não podia ter escrito sozinho. Fiquei decepcionado com o professor por não ter confiado em mim (o único aluno que lia os textos que ele pedia pra ler), mas feliz por saber que o texto era bom mesmo. No fim ele voltou atrás e eu ganhei a nota máxima.

5 comentários:

Marcela! • disse...

O seu texto ficou melhor que o meu, claro! Você escreve bem melhor do que eu e é mais inteligente! ;D
E ai, Surplus é um ótimo documentário!

*rise and beans*

Olha, não vou mais vir comentar aqui menino! ¬¬
Você nem pra comentar no meu, hãm!
E ah, comece a comentar em blogs para as pessoas poderem ler seus textos e comentar!!!

Beijos ;*
<3

Marcela! • disse...

uoexbmMas para eu comentar você tem que postar beibe! ;D

Te amo!

Nitzan disse...

"Rice and beans".
Chegou a hora de dar um fim ao consumismo desnecessário no mundo. Faça sua parte. Eu faço a minha.

Rogerio Floripa disse...

Baixar o Documentário - Surplus - Aterrorizados Para Sermos Consumidores - http://goo.gl/qJVsN

MaryJhanee disse...

Nossa a tempos estava tentando lembrar do nome desse documentário. Excelente texto sobre o mesmo.